27 agosto 2014

Hyrule Warriors, vale a pena jogar?

2 comentários:


Qualquer um que tenha no mínimo um pouco de conhecimento relacionado a jogos conhece a franquia Zelda. "Nanaaa, Nanananaaaaaa, Nananaaaaaaaaaa, Nanananana! Nanananaa, Nanananaaa, Nananananaaaaa, Naaaana! Pois bem, depois daquela postagem abobada dos 5 vídeos do Zelda, eu fiquei mais ligado nas últimas notícias da série e senti que precisava postar algo relacionado a franquia. Já há algum tempo em que venho assistindo vários trailers do novo jogo: Hyrule Warriors! Ou melhor, um dos novos dos novos jogos, já que ainda tem aquele "Zelda U" que inclusive estou muito mais interessado, se o que foi mostrados nos vídeos e entrevistas for verdade é claro. E Hyrule Warriors, enquanto me despertava interesses em alguns pontos, em outros já me deixava com um mau pressentimento. Porque apesar de tudo, as ideias são ousadas e fora dos padrões dos jogos de Zelda, mudar é bom? Claro que é, mas quando se é feito da maneira errada, os prejuízos saem grandes, ou seja, a Nintendo deve ficar esperta com o desenvolvimento do jogo e o hype que a mesma está colocando em cima, porque ninguém quer ver uma mancha no nome da série Zelda, um impacto desses seria decepcionante, e não é difícil de se acontecer. 

Eu já estava ficando surpreendido depois de tantos acessos que o blog ganhou naquela postagem do Sonic Boom, que gerou uma polêmica desgraçada e muitas pessoas ficaram chorando no meu ouvido tentando salvar aquele pedaço de nada, sendo que deixei claro todos os motivos que preverão a próxima queda da Sega. Enfim, deixando de lado esse assunto, vamos ao que interessa, afinal há muitos jogos sendo lançados e cá entre nós, eu não estou muito interessado em todos, poucos conseguiram realmente me deixar ansioso após ver os vídeos da E3. Dos jogos que vi, os que eu mais estou afim de jogar são Mario Kart 8 e o Zelda U "(que eu comentei lá em cima), ambos parecem ser ótimos. Mario Kart 8 parece abordar tudo que tinha de bom nos jogos anteriores da série e ainda muitas novidades, Zelda U, segundo Eiji Aonuma em uma entrevista, parece tentar resgatar tudo que tinha de bom nos primeiros jogos de Zelda.

Mesmo que eu ainda não tenha um Wii U, que inclusive já foi motivo de piada entre os gamers e algumas pessoas até acham que eu não gosto do videogame. Entendam, não tenho nada contra o Wii U, apesar de preferir muito mais o Xbox One e o PS4 é claro, afinal os gráficos e o sistema deles dois são bem maiores, mas como sempre confiei na Nintendo, acho que dá para arriscar gastar umas notas. E assim que eu por as mãos em meu novo console vou jogar Mario Kart 8 com certeza, em seguida vem outros jogos como os dois Zelda's, Donkey Kong Country: Tropical Freeze, Super Smash Bros Wii U e outros títulos do Wii mesmo (a qual é, eu nunca tive um). 

Mas por hora vamos falar do Hyrule Warriors porque to afim de falar o que estou achando do desenvolvimento desse jogo. 


Tudo começou com o Teaser Trailer acima. A Nintendo estava anunciando um futuro jogo chamado "Hyrule Warriors" para seu amado e fracassado em vendas Wii U, essa notícia vazou no último mês do ano passado e se analisarmos bem o trailer, veremos muitos aspectos que  lembram um jogo beta (ou demo, tanto faz). Se trata de um spin-off que segundo a Nintendo será um Zelda com jogabilidade de Dinasty Warriors, ou seja, será desenvolvida pela Koei Tecmo, desenvolvedora que iniciou sua produção no mundo dos jogos em 2009 quando duas empresas se unificaram, é a segunda vez que a Nintendo faz parceria com a mesma, a primeira vez foi no jogo "Pokémon Conquest". Infelizmente nunca joguei Dinasty Warriors, mas a ver pelos vídeos parece ser um daqueles jogos em que temos que metralhar tal botão e sair andando metendo o pau em todo mundo, e os inimigos são completamente burros, pois, ficam lá parados esperando a gente passar o rodo em todos. Ou seja, essa será a fórmula usada em Hyrule Warriors, e sinceramente, não acho isso necessário, principalmente em uma franquia como Zelda. O nome disso é "Hack and Slash", jogo onde saímos metendo uma arma de curto alcance e todos a nossa volta, geralmente é uma espada ou machado. Mas Zelda sempre foi sólido com seu próprio estilo de jogo, com puzzles e tudo mais. 

"Mas Evans, é só um Spin-Off"

Detesto quando falam isso. Se o jogo for uma merda não terá problema porque é um spin-off, logo, dane-se os spin-offs porque a qualidade de jogos desse tipo não importa. Entendam, não é que eu esteja odiando Hyrule Warriors, só acho que não era necessário uma mudança tão grande, e como eu já disse, mudanças assim devem ser operadas com mãos cuidadosas. E claro, eu nunca fui muito fã de Hack and Slash, único jogo que segue esse sub-gênero que gostei de verdade foi Darksiders II, porque lá pelo menos o jogo nos fazia mudar as estratégias sempre que enfrentávamos um novo inimigo, aquilo sim era divertido, diferente de God of War. Logo, talvez Hyrule Warriors tenha salvação, e sinceramente estou a espera de um jogo nota 7 ou 8. E.... Pensando bem agora, acabei de notar que Darksiders II tem algumas coisas em comum com os jogos Zelda 3D, como por exemplo alguns pontos no sistema de combate. 

Segundo Eiji Aonuma (Supervisor de Hyrule Warriors), os jogos de pancadaria frenética são muito bem recebidos no mercado de games atual e todo mundo gosta desse gênero de jogo, daí a ideia de enfiar The Legend of Zelda a esse padrão. 

Tudo estava indo misteriosamente bem até saírem os primeiros vídeos do jogo, onde poderíamos finalmente ver como ele iria funcionar.


Assistindo o vídeo atentamente eu comecei a ficar mais ansioso por Hyrule Warriors. Por que? Simples, o jogo agora está muito mais próximo de um jogo maduro que ainda consegue resgatar aspectos de um jogo do Zelda. No vídeo é possível notar que as batalhas frenéticas são feitas ao mesmo tempo em que podemos explorar o ambiente. Desde o primeiro Zelda lá do NES, existia essa exploração acompanhada de batalhas, é um dos aspectos que fazem um jogo de Zelda ser um jogo de Zelda. Já outros jogos em 3D como Ocarina of Time,não utilizavam muito bem esse ponto na jogabilidade, já que o Z-Targeting nos impedia de olhar ao redor do cenário e deixava a câmera focada no inimigo. Logo, exploração e batalhas eram coisas completamente distantes em um jogo em que tinham que ficar coladas. Além do mais, a voz de Link parece soar muito bem (Eu tinha que falar isso em algum momento). 

Além do mais, o jogo conseguiu se livrar de uma tradição muito amada ou odiada pelos fãs da franquia: Link não será o único herói nesse jogo. Na verdade até a princesa Zelda está lá tretando e tudo mais. O que?! A Zelda está la metendo porrada nos inimigos e ajudando Link? Agora sim! É isso! Finalmente vai deixar de ser uma princesa frágil e indefesa que é sequestrada o tempo inteiro feito uma inútil, gostei! Não só a princesa, mas como outros soldados de Hyrule estarão a seu dispor, ou seja, o jogo quer realmente ficar mais realista, chega de Link fazendo tudo e o resto nada! Posso dizer que essa foi uma sacada genial, mas não quero que ela continue em todos os jogos de Zelda, porque apesar de tudo, uma das coisas mais legais nessa franquia era ser o único herói a salvar tudo e a todos, por isso gosto de histórias como a de A Link to the Past, onde não existe ninguém que podia ajudar Link em batalhas já que todos os soldados obedeciam o mago que tinha roubado o trono, ou seja, era aceitável. Agora, Skyward Sworld é uma história incoerente onde que o rei tem um exército em mãos e não faz nada enquanto sua filha foi sequestrada, legal hein. 

Fora que a trilha sonora está muito mais voltada para o rock, pode-se ouvir vários solos de guitarra nas músicas executadas no vídeo. O que é legal, eu acho, desde que o jogo não se foque muito nesse padrão musical não há nenhum problema. 

Ah, e acredito ter visto o Link falar... Esse papo de mudança me assusta sabiam? 

Eu tava mais ou menos de boa com o jogo até ver esse vídeo.

Cresus Jisto! Desde quando um jogo de Zelda tem tantos personagens assim? Não sério, quando? Pelo que eu vi, o jogo terá uns 12 personagens. Seria isso necessário em um jogo que segue o padrão Hack and Slash? Sinceramente, eu acredito que não, todos os personagens que apareceram aí não tem nada a haver com a essência da franquia, só o Link, Impa e Zelda, tirando esses três... Mas o resto, eu não sei dizer ao certo se são bons, são mesmo aceitáveis e parecem ser carismáticos, olha aquela mina que usa um guarda-chuva por exemplo, até parece que ela saiu de algum desses animes sem nenhuma atitude lógica. Enfim, pelo que vi, não será obrigatório jogar com todos os personagens (Graças a deus), e eles só estarão lá para aumentar o fator replay, se é que talvez nem isso vai acontecer, porque, todos parecem ter a mesma sequencia de golpes e técnicas, logo não teria graça jogar com outro personagem que executa técnicas da mesma maneira que você executaria em outros, a não ser que o golpe em si seja diferente, o que provavelmente vai acontecer...

Enfim, se o jogo não me obrigar a jogar com todo esse pessoal aí já estarei feliz.


Hyrule Warriors está na corda bamba, até agora vi coisas que possam fazer deste um dos melhores jogos da franquia, ou talvez, um dos piores. O sistema Hack and Slash é algo que podemos enxergar dentro de The Legend of Zelda, apesar de tudo inovações dentro da franquia ás vezes é necessário. Tudo que vi sobre o jogo me animou o suficiente para jogá-lo assim que puder, provavelmente vai ser um dos primeiros da minha lista sem dúvidas. Mas isso não significa que vou depositar toda minha confiança nesse jogo... A Koei Tecmo está claramente se esforçando para aplicar o método utilizado em Dinasty Warriors, mas sem perder a essência de Zelda.  Enfim, o jeito agora é esperar para o lançamento, porque esse jogo vale a pena jogar sim. 

25 agosto 2014

Novo autor na área!

Nenhum comentário:

Hey guys aqui quem fala é o novo autor dessa budega e bom vou me apresentar para vocês 
Para quem não me conhece eu sou o dono da Sonic Live Blog e bom alguns devem estar se perguntando..
"Okay,mas o que diabos você venho fazer aqui?"
Bom,eu vim para postar news sobre todas as fucking empresas de games!
"Ain,fala mais sobre você"
Bom,nenhuma pessoa vai perguntar isso mas okay :v,bom sou gamer(Sério?)curto jogos da SEGA,Nintendo e Square,cujo minhas franquias de jogos favoritos são:Sonic e Zelda!
Ninguem lida com robotinique!
 (Se quiser ver uma mensagem bem legal,passe o mouse sobre a imagem)


Bom,então é isso obrigado por desperdiçarem seus minutos de vida lendo essa budega lerem!Nos vemos até a próxima new!

23 agosto 2014

Sonic Boom será um jogo ruim, e aqui vão 5 motivos

37 comentários:

Oh SEGA... Por que?! 

Já não é novidade para ninguém que Sonic Boom esta sendo uma droga e que provavelmente será, quando for lançado. Tudo esta horrível, não são apenas os designs genéricos sem criatividade nenhuma, é tudo mesmo! E por incrível que pareça alguém defender esse jogo, existem pessoas que realmente acreditam que ele vai ser bom. Sim, é escrotamente estranho alguém gostar do que a Sega está fazendo com o Sonic nos dias atuais. Depois de ver Sonic Colors e Sonic Generations, comecei a acreditar que talvez a franquia tivesse alguma salvação, esses dois jogos foram a luz no final do túnel. Mas, veio aquele Sonic Lost World que sinceramente, só foi feito para a Nintendo ganhar dinheiro em cima da exclusividade, enquanto a Sega era seu burro de carga. Pois é, toda aquela evolução que estava acontecendo na saga Unleashed-Colors-Generations foi jogada no lixo. 

Daí apareceu o novo "incrível" game do Sonic: Sonic Boom!
Pronto! Agora sim a franquia vai desabar feito avalanche. O desenho parece que vai ser interessante, mas só ele, porque em um desenho é necessário mudanças sérias e um pouco de perca de essência para se adequar ao público, normal, não se pode esperar nada muito igual aos jogos. O erro foi a Sega dar todo o foco ao jogo baseado no desenho, que na verdade devia ser apenas um spin-off, mas eles queriam fazer dessa merda um REBOOT! 

E por mais estúpido e inacreditável que pareça algum fã do Sonic gostar disso, é real, infelizmente. E para piorar todos eles partem para o mesmo comentário:

"Ain Evans, o jogo nem foi lançado ainda, você não pode ver o futuro"

Se você pensa assim, eu sugiro que vá lá para fora de sua casa e coma um pedaço de qualquer porcaria que você encontrar aí na rua. Daí você pode falar esse seu comentário idiota. Eu não preciso comer cocô para saber que é ruim, de longe qualquer um que olha fala: "Que nojo, nem vou chegar perto", por que? Porque está claro que aquilo é uma coisa nojenta. E Sonic Boom é exatamente isso, só de olhar, nem precisa jogar, você sabe o que vai vir, e sabe que vai dar nojo. Então não tem essa de esperar o jogo ser lançado, é tudo uma questão de senso crítico e reconhecer o melhor para a franquia ao invés de aceitar qualquer coisa que façam com ela. 

Fora que muitas pessoas falam bem desse jogo, se elas podem falar bem, por que nós não podemos falar mal? Direitos iguais criançada. 

E para piorar, alguns desses fanboys acreditam que pessoas como eu são haters que só querem ver o mal para a franquia. Essa é outra desculpa boba para não aceitar a verdade diante dos olhos. Entendam, um fã de verdade é aquele que quer o melhor para a sua franquia e personagem, e eu quero o melhor para ele, não estou tentando destruí-lo, eu adoro Sonic e jogo desde de pequeno. Ver o que a Sega faz com ele desde 1998 até hoje é uma tortura a aqueles que reconhecem a sua verdadeira essência. 

Agora, se você é desses que acha que um fã de verdade é aquele que ama o seu personagem do jeito que ele é, independente das circunstancias, devo dizer que esse é um péssimo ponto de vista. Por que? 

Hipoteticamente falando... 

Se a Sega lançasse um jogo do Sonic onde ele usasse um vestido com purpurina e dançasse com príncipes e resolvesse virar gay, qual seria sua reação? De puro ódio é claro, ninguém suportaria ver o Sonic fazendo uma coisa dessas, ninguém. Ou você iria dizer...

"Ain, eu sou fã de Sonic e vou amá-lo do jeito que ele é, mesmo fazendo baitolices, tenho que aceitar, porque é isso que um fã de verdade faz"

 Por favor né?... 

Enfim, algumas pessoas ainda não conseguem enxergar os verdadeiros erros no jogo, o que é compreensível, eu acho. Então separei uma lista de cinco itens que comprovam que Sonic Boom será um dos piores jogos do ouriço e talvez uma das maiores quedas dele. Então é isso, venham comigo amigos! 

Imagem feita pelo meu amigo Lucas Daniel (Sonic Live Blog) 

Sonic Boom não é inovador em nada 

Esse pessoal que gosta do jogo tem uma mania louca de dizer que ele é incrível porque a Sega está tentando criar algo novo e mudar a cara do ouriço. Mentira e verdade. Primeiro que nada nesse jogo é inovador, tudo que que aparece em Sonic Boom nós já vimos em algum outro jogo do Sonic ou no mínimo vimos em um outro jogo mesmo. Realmente estão tentando mudar a cara do ouriço, porém,  não está dando certo, mas falo disso mais tarde aqui nesse post. 

Sobre o jogo não ter nada de inovador... 

Os cenários não são novos nem nada, são super parecidas com Crash e com alguns outros cenários dos jogos do Sonic. Só que aqui as fases são mais realistas e menos "Sonic". Ou seja, não é inovador.


Bota uma porcaria de sistema de batalha em um jogo do Sonic é uma ideia estúpida mesmo. Mas algumas pessoas por algum motivo querem isso na série, mesmo que já tenha acontecido e ainda deu merda na ultima vez para piorar. Esse lance de combate corpo a corpo é ridículo e só faz o Sonic perder a originalidade de seus jogos (falo disso mais tarde). Ou seja, isso também não é inovador.


Já não é de agora que os jogos do Sonic ficam cheias de corredores onde só corremos e pulamos ocasionalmente. Adivinha se isso é inovador. 

Viram? Nada nesse jogo é inovador, nem o design dos personagens é. Aquilo não é uma evolução, o pessoal apenas pegou o Sonic e enfiou faixas e um cachecol e voalá! Uma falta incrível de criatividade. Última evolução verdadeira no designs do Sonic foi em Sonic Adventure, e se acaba por aí. Logo, falar que Sonic Boom é inovador é uma grande mentira. 


Os novos designs são horríveis 

Já que eu comecei falando dos designs... 

Sim, eles são horríveis e parece que ninguém teve um pingo de criatividade na hora de inventar essas porcarias aí em cima. É engraçado imaginar que alguém goste de ver o Knuckles completamente marombado deste jeito. Mas infelizmente tem gente que ta curtindo isso, e o que posso dizer? Qual o problema delas? Ta certo, como dizia Jack o Estripador: "Vamos em partes". 

O Sonic para começo de conversa está horrível e sem nenhum pingo de mudança necessária. Tudo que fizeram foi aumentar as pernas dele, enfiar um monte de faixas e mais espinhos desnecessários. Eu nunca achei feio o cachecol, se tivessem pegado o Sonic do jeito que ele sempre foi e só tivessem posto um cachecol tava ótimo, eu nem iria ligar. Afinal eu não liguei quando botaram um chapéu Indiana Jones no Knuckles em Sonic OVA, um cachecol no Sonic não seria o fim do mundo, certo?

A questão é que as outras mudanças contribuíram para deixa-lo ainda mais escroto. Essas pernas enormes o deixam desproporcional, fica estranho e feio, é a terceira vez que aumentam elas. Eu realmente não me lembro de ninguém dizer que queria um Sonic mais esticado parecendo o perna-longa, isso aconteceu uma vez e deu merda (preciso mesmo dizer em que jogo foi?). Os espinhos do Sonic parece que diminuíram um pouco, o que o deixa mais magro e esticado, fora o excesso disso na cabeça dele, é ridículo e só o deixa mais realístico. Temos aquelas faixas ainda, elas são mesmo feias, mas não são a pior parte, se tirassem os espinhos em excesso e as pernas enormes eu nem ligaria para elas.

É, o Sonic ta feio. 


Eu realmente preciso falar dele? Algumas pessoas acham que deixa-lo maior e marombado foi bom para demostrar sua força. Cara, que piada. O Tails voa com dois rabos e ninguém até agora procurou lógica para isso, e você se preocupa com a "demonstração da força do Knuckles". Só o fato das mãos dele serem enormes e terem luvas de box com espinhos já deixava claro que ele era forte, aventureiro e explorador, deixa-lo gigante e marombado só o torna tosco. Na verdade eu nem precisava dar essas explicações, qualquer pessoa que tenha o mínimo de bom senso sabe que o Knuckles ta horrível. E se você ta gostando dele assim, desculpa, saia desta bolha em que está vivendo. 

É, o Knuckles também está feio. 

A Amy está parecendo uma mulher chapada que acabou de sair de uma festa, sério, olha a cara dela. Apesar das mudanças na personagem não serem tão pesadas, ela continua esticadona e estranha para um jogo do Sonic. 

Então sim, essa criatura também está feia. 

Único que se salva é o Tails que por algum motivo achei ele inofensivo, suas mudanças são aceitáveis. Mas isso não tira o fato de que os novos personagens são toscos e parecem que saíram de algum filme da Disney e que Sonic, Knuckles e Amy que são os protagonistas estão com um design completamente mal trabalhado. Sim, está tudo horrível, ninguém pediu por algo assim, o que deu na Sega para ter essa ideia? Isso não é evolução, Sonic Boom não é evolução, nada aí é evolução, o pessoal apenas encheu os personagens com tralhas e mudaram suas formas de maneira completamente desnecessária. 

Ah, e em relação aos vilões, o Eggman está razoável, não tem nada de interessante, porém continua com cara de gênio maligno, o Shadow ficou a mesma coisa que o Eggman, fiquei feliz por não terem enchido ele com faixas também e o Metal Sonic ta ok, não houve nenhuma mudança com exceção ao aumento das pernas. Cara o nome do jogo devia ser "Sonic Big Leg Boom". 


O jogo não remete a essência clássica e estilo do Sonic 

Deixa eu ver se estou certo. Robôs realísticos iguais em série tem a ver com Sonic? Não. Cenários do Crash Bandicoot tem a ver com Sonic? Não. Combate corpo a corpo tem a ver com Sonic? Não. Seções de plataforma em que a velocidade é muito limitada tem a ver com Sonic?  Não. Faixas tem a ver com Sonic? Não. 

Ou seja, se Sonic Boom não tem nada a haver com Sonic, por que é então um jogo do Sonic? Só porque tem o ele, seus amigos e anéis no meio das fases? Me responda o que faz, além disso, um jogo do Sonic ser um jogo do Sonic? Vamos nos lembrar de Sonic the Hedgehog lá de 1991. Lembro-me de um jogo onde jogávamos com um ouriço azul que tinha um estilo próprio, uma arte própria e uma jogabilidade própria. O Sonic nunca precisou ser igual a outro jogo porque ele sempre conseguiu ser bom sozinho. Os jogos clássicos do Sonic tinham cenários com uma arte que só víamos lá, fora a jogabilidade que misturava platforming e velocidade, aquilo era mesmo incrível, era único! ISSO é Sonic.

Agora eu vejo pessoas comparando Sonic Boom com jogos do Ben 10, Crash e vários outros. Isso é uma verdadeira humilhação ao ouriço, que sempre foi bom justamente por se diferenciar de outros jogos. Esse novo jogo não se parece com um jogo do Sonic, se parece com qualquer outra coisa ou sei lá o que, eu realmente não sei, mas não é um jogo do Sonic! 

Isso não é mudar, é uma suruba louca de vários jogos com Sonic. E tenta-lo colocar em cenários que não tem nada a haver com ele é como matar a sua própria essência. Lembrando que isso já aconteceu algumas vezes antes na série, e olha a merda que deu: 


O que diabos uma cidade pós-apocalíptica tem em relação a Sonic? Nada! Pegue a Crisis City, tire o Sonic e os anéis e mostre a algum amigo, pergunte a ele de que jogo é a imagem. Duvido que ele diga "Hmm, monstros malignos das trevas em uma cidade pós-apocalíptica onde toda a raça humana foi extinta? Ah, com certeza é uma fase do Sonic!". Entendam, o Sonic deve correr por lugares que seja no mínimo imaginativos e coloridos a sua essência. Agora, Sonic Boom não tem cenários nem nada que remeta a essência Sonic, com exceção aos loopings e corredores, por isso que não é uma mudança nem evolução.  

Caramba, parece que a Sega pegou tudo de ruim que já aconteceu na série e resolveu unificar criando o pior jogo do Sonic. Se esse for o objetivo principal, estão de parabéns mesmo! 


Deixou de ser um reboot porque a Sega viu que não iria dar certo 

Nome auto-explicativo, mas vamos lá. Sabe o que também torna um jogo ruim? Uma empresa que perde a confiança do mesmo. E a Sega perdeu a confiança de Sonic Boom, sabem por que? Porque isso aí iria ser o reboot da série toda, mas os fãs ficaram tão insatisfeitos que a Sega foi obrigada a dizer "Calma gente, é só um spin-off", sendo que todos sabiam que iria ser um reboot. Ou seja, se a Sega sabe que vai ser uma merda como reset na série, o que diz que ela confia no jogo ou espera alguma coisa boa dele? É tão horrendo que não pode, de jeito nenhum substituir os personagens tradicionais, porque se fosse bom, substituiria sem problemas. Afinal, Sonic é uma das séries de jogos que mais precisa de um reboot decente. 

E eu não me lembro de ninguém ficar bravo quando mudaram os designs em Sonic Adventure, vocês lembram? 

Esse motivo é meio vago, mas agora vem a melhor parte e maior motivo de todos! Deixei o melhor para o final como sempre. Vocês podem ter encontrado contra-argumentos para os itens acima, mas contra esse vocês não escapam de jeito nenhum! 


Todos que jogaram a demo do jogo não gostaram nem um pouco! 

Sim, todas as reviews da demo que li até agora falam do quanto é monótona e genérica a jogabilidade deste jogo, e se está tão ruim agora, te pergunto, como é que a Sega vai concertar tudo em apenas 3 meses hein?! Está óbvio que muitos críticos não estão gostando e isso só mostra como o desenvolvimento do jogo esta ruim. E para piorar tem uns fãs aí que xingam esses críticos, que são experientes, de nintendistas e coisas do tipo. É muita negação da verdade. Abaixo vocês verão trechos dos textos de duas pessoas que jogaram o jogo. 

"O problema não está nas novas versões de Sonic, Tails e companhia, mas sim na própria ação, que inevitavelmente remete aos mais toscos jogos de plataforma de duas gerações atrás. 

Nos estágios testados por UOL Jogos, observamos terríveis problemas de câmera, capazes de tornar os mais óbvios saltos em desafios exagerados; bugs bizarros, como comandos que nunca vemos sendo concretizados; um sistema de combate tosco, sem qualquer peso ou consistência - e por aí vai... 

O game parece sofrer para rodar sem parar de funcionar (como de fato aconteceu uma vez durante o teste), mas mesmo quando as condições são ideais, ele não tem nada de bom para dizer.
Tanto os estágios de exploração quanto o de batalha contra um chefe são extremamente genéricos, pontuados por quebra-cabeças esquisitos que obrigam Sonic ou algum dos outros heróis a socarem ou usarem um gancho para puxar alguma coisa.
Enquanto isso, os embates contra inimigos comuns se mostram visualmente confusos. Existe um comando para desviar, mas é difícil julgar quando é hora de fazê-lo ou até mesmo se a ação funcionou. Para piorar, os inimigos não sabem responder devidamente aos ataques que eles recebem. Será que aquele golpe teve efeito? Ninguém sabe. 

Com uma nova personalidade, Sonic parece sempre mais preocupado em fazer piadinhas do que ajudar seus companheiros. Isso não seria um problema por si só se ele não tivesse perdido também sua principal característica: a velocidade.
A maior parte da demonstração funciona em um ritmo muito lento – seja por bugs, problemas com a câmera ou puzzles obtusos –, e aquelas em que o herói realmente pega impulso parecem truncadas.
“Sonic Boom: Rise of Lyric” é o último de uma série de exclusivos da série para plataformas Nintendo, e parece estar muito pior do que o já medíocre “Lost World”. Infelizmente, já deve ser tarde demais para que a experiência melhore a tempo de seu lançamento em novembro."
Por Pedro Henrique Lutti Lipe
UOL Jogos - 11/06

"A versão pro Wii U deixa para trás um equilíbrio entre plataforma e velocidade e oferece um mundo genérico. Os combates em Rise of Lyric são feitos com socos e chutes, o que é um problema, e tudo piora com a câmera, que não mostra a parte da fase que deveríamos ver... "
Por Bruno Rubio 
Revista Nintendo World - Agosto 

Sério, eu preciso mesmo dizer algo? O que vocês vão falar agora? Se ninguém ta gostando agora, eu duvido que esse jogo irá repercutir bem quando for lançado. Não preciso dizer mais nada, os textos acima já dizem tudo. Problemas com câmera, bugs, combate genérico, controles que não respondem, desequilíbrio entre velocidade e plataforma, etc...

Créditos na imagem 

É isso, acabo por aqui. Já deixei bem claro o quanto será ruim esse jogo, por mais que seja uma sub-série, ela nem se esforça em ser um jogo do Sonic. De qualquer maneira eu estou feliz de tudo isso estar acontecendo, sabem por que? Porque eu quero sim que as vendas sejam incrivelmente baixas, e que a Sega se ferre tão lindamente a ponto de aprender a como tratar o seu mascote! Eu já notei de um tempo para cá que sempre que ela tem problemas financeiros por falta nas vendas dos jogos do Sonic, ela lança um jogo decente dele logo em seguida. Olha por exemplo Sonic Advance, Sonic Colors, Sonic Generations e Sonic and the Secret Rings, sabem o que são esses jogos para mim? Uma mensagem da Sega que diz: "Poxa galera, desculpem pela merda que nós fizemos, toma aqui, um jogo bom em compensação". E provavelmente (repetindo, provavelmente) teremos um jogo bom do Sonic para Xbox One e PS4, amém!

Agora é só esperar pelos xingamentos contra minha pessoa, falando que sou hater e tudo mais. Sempre tem esses caras mesmo. 

20 agosto 2014

Wario Land 4

Nenhum comentário:


Duvido que alguém tenha esperado por isso. Na verdade até eu mesmo me impressionei quando me peguei jogando esse jogo. É sério. Joguei ele quando era mais novo, joguei umas duas fases e parei, por algum motivo me lembrei dele nestes últimos dias e resolvi joga-lo novamente.

Mas a parte engraçada é que eu fiquei incrivelmente surpreendido, quando fui me dar conta, já tinha passado todas as fases do jogo. E sim, gostei muito do jogo Wario Land 4.

Quando comecei a jogar, estava a espera de um jogo que fosse mediano, aquele jogo que não fede nem cheira, sabem? E aconteceu algo inesperado e surpreendente! Esse jogo acima se tornou um dos melhores jogos de Game Boy Advance que eu já joguei. Isso mesmo que você acabou de ler, não saiu nada errado ou fora do lugar, eu simplesmente amei este jogo, e depois de zera-lo, joguei de novo, de tão frenético que foi eu não podia parar a diversão.

O quarto jogo da série Wario Land, que começou lá no Game Boy, se foca no anti-herói da série Mario Bros. Esse é, digamos entre aspas, o "Shadow the Hedgehog" da franquia Mario. Porém, esse jogo não é tão ruim quanto o outro citado. E diferente do que imaginava, ele não tem nada a haver com os jogos do Mario, é realmente diferente da franquia a qual está relacionada, até parece um jogo único completamente distante.

Único elemento relacionado a franquia principal no jogo foram os canos, em que podíamos entrar e explorar mais as fases e tudo mais. Mas fora os canos, temos uma jogabilidade completamente original, mostrando que Wario não será um simples Ctrl C + Ctrl V do Mario, ele é diferente, um personagem muito mais primitivo. E isso faz o jogo ser melhor ainda! Fora que o próprio se transforma em zumbi, morcego e um monte de coisas que vocês podem imaginar.

Wario Land 4 foi lançado no dia 19 de novembro de 2001 para Game Boy Advance, mais tarde lançado para Nintendo 3DS e Wii U. É um jogo 2D de plataforma, desenvolvido pela Nintendo R&D1, a mesma que produziu Super Metroid.

Tio Patinhas encontrou um outro amigo ganancioso 

Isso... Isso..... ISSO!!!!!

A maioria deve saber que os jogos do Mario consistem em histórias simples, com nada muito surpreendente, repetindo sempre as mesmas fórmulas em todos seus jogos. Bowser sequestra Peach, Mario e Luigi salvam ela, Bowser sequestra Peach... E assim vai. Apesar de tudo, é normal as pessoas não ligarem tanto para suas histórias, é completamente comum elas não serem nada de mais. Nesse jogo, Wario fica rico, de novo, e parece que seu único objetivo é continuar ficando rico. O que eu acho perfeito para um personagem como ele, afinal, um antí-herói necessita de objetivos nada "bonzinhos", e sim, algo mais egocêntrico, mais voltado a si mesmo, isso é uma característica de personagens assim.

Há muitos anos atrás (eu acho), existia uma pirâmide chamada "Golden Pyramid" (sim eu sei, é um nome bem sem graça), cujo era reinada pela princesa Shokora, uma mina com cabelo rosa. Porém, uma louca mulher sinistra voadora, conhecida como Golden Diva, joga uma maldição na princesa, a transformando em uma gata preta. A gata foi expulsa da Golden Pyramid e foi viver com os seres humanos, se tornando uma gata de rua. Mais tarde, a pirâmide foi descoberta por alguns arqueólogos, muitos tentaram pegar seu tesouro, mas por conta dos perigos, ninguém conseguiram. Após sua descoberta, a pirâmide desapareceu (?). E ninguém conseguia acha-la novamente. 

Em uma simples manhã, enquanto Wario tomava seu cafézinho, leu no jornal um artigo que falava de uma pirâmide lendária que havia sido descoberta dentro das selvas. E lógico que Wario queria o tesouro que
existia la dentro. Então assim ele vai em busca dessa pirâmide, no caminho enquanto passava por uma rua com seu carro luxuoso, cruza-se com uma gata preta que fica em seu caminho. A gata lê o jornal que cai do carro, e após ler vai atrás de Wario. Afinal, nem fazemos ideia de quem ela seja né?... Enfim, Wario encontra essa pirâmide junto a essa gata preta. Ao entrar lá, ele descobre que precisa derrotar o vilão de cada passagem da pirâmide para poder encontrar seu maior tesouro. Assim começa a nossa aventura com Wario em busca de seus tesouros e os mistérios existentes na Golden Pyramid.

A história é exatamente o que eu disse no começo, bem simples, nada que de nó no nosso cérebro. Se eu gosto dela? Pode-se dizer que sim, mas só um pouco, sinceramente, acho a história razoável. Gosto do Wario, ele é um ótimo antagonista fazendo papel de protagonista. A história em si também é interessante, não há muito o que comentar, é apenas ok. O que mais a torna um destaque é sua aproximidade com o personagem, o deixando (novamente falando nisso) bem distante do
Mario, mas ao mesmo tempo próximo. Não posso dizer muito sobre esse lance aí, pois estaria dando spoilers em relação ao que acontece mais para o final. Mas olhem bem, Mario faz o que faz para salvar o reino em que vive, Wario faz o que faz apenas para ficar mais rico, porém, os dois encontram a mesma recompensa no final de suas aventuras... O que será?

Jogue e descubra.

O que vocês acham de um platforming mais bruto? 


Como eu disse anteriormente, isso é um jogo de plataforma em 2D. Bem vejamos... O D-pad controla Wario, A pula, B ele ataca seus inimigos dando uma espécie de investida, ao pular e apertar para baixo, ele cai sentado usando seu peso (técnica semelhante a do Mickey no Castle of Illusion). Wario pode agarrar itens e inimigos, dando a liberdade de joga-los para qualquer direção, seja um lançamento forte ou fraco, criando uma interação maior com o cenário. Em descidas, ao apertar para baixo, Wario pode sair rolando, passando por passagens mais pequenas. Se você correr e segurar R, ele sai correndo bem rápido, destruindo tudo que vem pela frente (Tipo no Super Metroid). 



No jogo temos um Hub World que é a própria Golden Pyramid, lá temos cinco passagens: Entry Passage
(Essa é apenas para treinamento), Emerald Passage, Sapphire Passage, Ruby Passage, Topaz Passage e Golden Pyramid (Última passagem, só aberta após passar todas as outras).

Cada passagem, com exceção a primeira e a última, contém quatro fases e todas tem um boss. Para passar de fase é necessário ir até o final dela, apertar um interruptor com cara de sapo, e depois voltar. Nesse "voltar" terá um tempo, caso você o deixe acabar perderá o dinheiro que conseguiu nessa fase e posteriormente morrerá. Porém, você só poderá acessar a próxima fase da passagem se encontrar a key, que é um bicho estranho com uma chave na cara. Depois de passar as quatro fases da passagem vem o boss, para acessar sua sala você precisa encontrar quatro pedras que abrem sua porta. Ou seja, durante as quatro fases de cada passagem você terá que encontrar em cada uma, uma dessas pedras para enfrentar o boss, porém, em cada fase elas estão divididas em quatro partes, estão dentro de baús e você tem encontrar todos. 

Sim, você se lasca legal para encontrar as pedras e as keys durante as fases. 
 
O jogo pode parecer chato por conta da exploração obrigatória, mas isso é apenas uma impressão que se passa batida. O jogo é incrível, as fases tem um level design muito bem explorativo e cheio de enigmas. Cada fase tem um estilo próprio e desafios diferentes, você nunca enjoa deste jogo e este é um dos principais motivos, primeiro porque nada é previsível, e segundo porque sempre teremos algo novo a experimentar. Por exemplo a fase do hotel nós exploramos cada sala dele, nos transformamos em zumbi e até mesmo em morcego. Agora, na fase do vulcão (sim eu não quero me lembrar dos nomes das fases agora), passamos pelas mais divertidas seções de plataforma, e logo ao apertarmos o interruptor, tudo se congela, te deixando se saber o que pode vir pela frente. Isso é simples e mantem o foco do jogador, jogar esperando por coisas novas e se deparar com elas nos deixa ansiosos a ver o que vem pela frente. 

Os controles de Wario são maravilhosos, suas técnicas são simples e fáceis de se executar. Ele é de fato mais bruto, sua investida é leve e causa poderosos danos, e isso é legal. Os inimigos também dão mais variedades as técnicas do Wario, pelo simples fato de cada inimigo ter seu modo de ser derrotado. Por exemplo, alguns só são derrotados com a investida, mas se você a usa-la em outros, perderá facilmente vida. Ou seja, no caso desses será necessário pular em cima e cair esmagando. Logo, não mataremos qualquer um usando sempre a mesma técnica, o jogo te fará aproveitar ao máximo tudo que Wario pode fazer. 

Ta, não leve isso tão a sério se você pensou outra coisa. 

O jogo também tem alguns desafios de platforming que são bem diferentes e não costumam aparecer na maioria dos jogos. Por exemplo o fantasma que aparece em uma fase de terror aí, ele surge de vez em quando e quando aparece você fica naquela "Mano, saporra pode fazer algo a qualquer momento". E ele não faz nada, o que pode entediar o jogador se ele estiver esperando por desafios, mas quando voltamos com a chave, o desgraçado fica tentando pegar ela e fugir, o que não é ameaçador, mas se perdermos muito tempo não passaremos de fase, logo, aquele fantasma se torna o pior inimigo da fase sem encostar um se quer dedo em Wario. Isso é para mim algo diferente que torna o jogo ainda mais legal. 

Ah sim, eu quase ia me esquecendo de falar do tempo que temos para terminar a fase. E sim, botar um tempo pequeno para terminarmos uma fase é uma ideia patética e estúpida para tentar dificultar um jogo, acaba com a exploração. Porém, Wario Land 4 foge desta realidade. O tempo só começa a rolar na hora de voltar para o começo da fase, ou seja, você andará por lugares que já passou, logo, o que tinha que explorar você já explorou. Porém, em todas as fases nós temos paredes e passagens que só se abrem se você apertar o interruptor, o que torna o jogo mais divertido ainda, porque apesar do tempo encher o saco, isso cria uma relação divertida entre quem joga e o cenário, dando uma sensação de mistério e a necessidade de mais exploração. Fora que algumas fases mudam a temática e o ambiente da fase, e isso também é muito legal. 

Em Wario Land 4, Wario se transforma em morcego, zumbi e até fica imensamente gordo, e muitas outras seções de plataforma e puzzles são criadas a partir do uso dessas transformações. Sim, eu também gostei disso. Por exemplo, tem uma fase que as abelhas picam Wario e ele fica com o rosto inchado e sai flutuando. Isso não causa dano, mas é obrigatório o uso para acessar locais onde se encontram as key itens. 

Contudo, erros na jogabilidade foram previstos. Eu não gostei muito da exploração obrigatória, se não pegássemos todas as quatro peças (que estão dividas em quatro em cada fase) não enfrentaremos o chefe, e isso é chato cara, eu não quero ter que jogar novamente uma fase só porque não encontrei uma pecinha de quebra-cabeça. Fora que o único item que encontramos nas fases é um CD (eu acho que é um) e é o único item que não se é obrigatório conseguir. Mas o jogo é tão divertido que a gente o joga várias vezes por pura diversão, porque se fosse pela exploração não teria muito o que fazer. 

Fora aquela fase sem graça de pinball, aquelas partes em que tínhamos que atirar uma bola dentro dos buraco era um verdadeiro saco. Você joga Wario Land e se acostuma com a jogabilidade bruta e com as seções simples e divertidas de platforming, jogar aquilo é um verdadeiro tédio. 

Os bosses são super divertidos de se enfrentarem, gosto de cada um deles, todos eles tem uma maneira diferente de serem derrotados e nos fazem criar várias estratégias para vencermos as batalhas. Wario, por ser um personagem mais forte e briguento, os bosses combinam perfeitamente com ele. Alguns recebem danos quando atiramos algo neles, outros quando caímos em cima, e outros simplesmente quando usamos
uma simples investida, porém, os padrões de ataque da cada boss muda dependendo da situação da batalha. Tem até um boss que é um relógio cuco gigante, e depois de apanhar muito, se quebra e sai uma águia escrota dele e a batalha muda completamente, isso é legal porque aumenta ainda mais as estratégias criadas já que nessas horas os padrões mudam completamente. Porém, eu não gostei de terem colocado tempo nos bosses também, achei interessante os tesouros irem embora quando ele estivesse acabando, mas não gostei do fato de morrer devido o término dele. Outra maneira estúpida de dificultar um jogo. Mas fora o tempo, os bosses são 10!

No final das contas vimos que Wario Land 4 tem uma incrível jogabilidade que apesar de ter poucos erros é ainda perfeita e tem um estilo próprio que caracteriza ainda mais o Wario em seu próprio jogo. E sim, esse jogo se tornou o melhor de Game Boy Advance que joguei principalmente pela jogabilidade que é maravilhosa. Mais pessoas deviam ter jogado isso, só digo isso!

Dependendo do quanto de tesouro você conseguiu até o fim do jogo, a princesa Shokora pode assumir várias formas diferentes. 


Arte cativante! 


A arte usada no jogo é bem... Diferente da que vemos normalmente nos jogos do Mario. Mas a questão é que isso que Shadow the Hedgehog e Wario Land 4 tem em comum, os dois tentam ao máximo se diferenciar do personagem protagonista da série. Apesar de tudo, Shadow the Hedgehog, mesmo com armas e cenários que simplesmente não tem nada a haver com Sonic, aquilo não é exatamente um jogo do Sonic, e sim do Shadow, essa é a diferença. Os jogos da série Wario Land fazem a mesma coisa em relação aos jogos normais do Mario. Mas isso não significa que todos os cenários são completamente "EU SOU DIFERENTE OLHA OLHA!", não, entendam que até os antí-heróis tem fases mais... Bonitinhas e um pouco semelhantes a série original, porque afinal, se diferenciar demais pode acabar com a essência de um jogo. Mas acima de tudo, o jogo tem uma arte decente, o gráficos são naturais e utilizam bem a capacidade do Game Boy Advance, alguns cenários tem fundos lindos, apesar de eu não gostar de outros que são apenas uma imagem chapada de qualquer jeito. O resto é ok. As cores no jogo costumam serem fortes, não que seja aquela coisa toda colorida nem nada, mas são cores que se exaltam e deixam o jogo com uma ótima cara. Enfim, os gráficos são apenas ok, não são aquela coisa toda, mas são decentes, dou destaques aos detalhes que há em algumas texturas e objetos. 

Trilha sonora um pouco... Medonha. 


Essa música consegue resumir a trilha inteira do jogo. Ela é bem... Diferente. As músicas são boas e como todo jogo da Nintendo, expressa bem o ambiente. Mas a trilha de Wario Land 4 merece uma atenção especial, eu nem sei porque para falar a verdade, nem tenho muito o que dizer. Mas as músicas do jogo são em parte medonhas ou pesadinhas. 

Considerações Finais 


Jogo incrível! Impecável! Uma verdadeira Masterpiece! Wario Land 4 é sem dúvidas um dos melhores jogos da franquia Mario Bros e do Game Boy Advance. Fato, muitos jogos de plataforma precisam aprender com esse jogo, a criarem verdadeiras seções de platforming, puzzles, desafios divertidos, bosses legais de se enfrentar e controles simples, úteis e precisos. Sem falar da trilha sonora, história e arte que caracterizam ainda mais o jogo. Gostei tanto de jogar isso aí que zerei duas vezes seguidas, e ainda joguei mais no modo hard em poucos dias, e sabe por que? Porque é divertido ora essa! E se eu tivesse que aconselhar um jogo de plataforma para alguém nos dias de hoje, com certeza diria "Hey, jogue Wario Land 4 bitch!". Mas o que se pode esperar? A Nintendo sempre soube como cuidar bem de seus personagens. Bem até demais. Fora que a R&D1 é uma ótima desenvolvedora de jogos e produziu maravilhas como Super Metroid. Mas eu fico triste por ver que o jogo não recebeu muita atenção, o que é compreensível, sub-séries de personagens secundários geralmente não recebem muita atenção. Anyway, Wario Land 4 é completamente foda! Parabéns Nintendo, por ter conseguido mais um grande feito. 

História:
Sons:
Gráficos:
Jogabilidade: 10 

Prós: 
Controles simples e precisos 
O level design é muito bom 
Os inimigos e bosses são os melhores de se enfrentar 
Sim, eu gosto daquela história 
Os gráficos são decentes 
Visualmente o jogo é bonito 
Ótimas seções de plataforma  

Contras: 
Aquela fase de pinball é uma chatice 
Exploração obrigatória na maior parte das fases 

Nota Final: 9.5 

03 agosto 2014

5 jogos que merecem um remake

Nenhum comentário:

Imagem meramente ilustrativa 

Novamente, não estarei postando uma review, e sim, outra postagem mais voltada ao entretenimento, simplesmente porque eu quero. Por acaso, existe algum jogo clássico que você joga há anos, provavelmente desde sua infância, e nos dias de hoje, sente vontade de rever o mesmo jogo com gráficos atuais e novos conceitos nos dias de hoje? Pois é, todos nós já sentimos isso, e existem muitos jogos que foram esquecidos ou nem estão fazendo tanta importância para as pessoas. Se o caso for este segundo, é porque, provavelmente, os jogos atuais dessa franquia clássica estão sendo tão desagradáveis, que os mais velhos perderam o brilho, já que ninguém quer mais saber. Mas apesar de circunstâncias atuais, um jogo quando é bom de verdade, sempre permanecerá vivo, mesmo que seus jogos posteriores sejam um monte de lixo. Olhem por exemplo o Bomberman, seus jogos iniciais eram verdadeiras obras primas, mas, depois que a Hudson faliu e foi lançado o Act Zero, a morte da franquia foi na certa. Se olharmos bem, ninguém se lembra do Bomberman em sua época de fama, a maioria das pessoas dessa geração apenas o conhece por ter jogado algum joguinho online flash no Click Jogos. 

Nossa, eu saí um pouco do assunto, me desculpem, precisa desabafar. Enquanto rezamos para que esses desastres não aconteçam com muitas franquias clássicas, vamos nos lembrar dos verdadeiros jogos que marcaram época nos primeiros consoles que existiram. Quais deles merecem um remake, uma remasterização em perfeito HD? Bom, logicamente há muitos jogos que merecem, mas vamos pensar nos casos mais "emergentes", ok? E foi assim que pensei em seis jogos ótimos para serem colocados na lista que virá a seguir. Vale lembrar que foram jogos que minha pessoa acha que devem estar na lista, caso alguém queira sugerir outro título, só comentar ali em baixo. 


Final Fantasy VII 
Playstation 1 - Square Enix - 1997

Apesar de Final Fantasy VII ser um jogo superestimado, isso não significa necessariamente que ele seja um jogo ruim, na verdade, ele é ótimo, e deixou uma marca profunda na história dos JRPG. Antes que me ataquem com tochas e tentem cortar minha cabeça e queima-la em uma fogueira como se fosse marshmellow preso em algum galho aleatório encontrado no chão. Eu sei muito bem que existe um suposto "remake" de Final Fantasy VII para PC, porém, além de não ser HD, não é supostamente disso que estou falando. Aquilo ta mais para um incrível port para PC, e não é exatamente isso que os fãs querem. 

Bom, pelo menos eu acho que não... 

Mas de qualquer maneira, o sétimo jogo da franquia é o Ocarina of Time do Final Fantasy, considerado um dos melhores RPG´s já inventados. Mas se olharmos bem, há outros jogos melhores dentro da mesma saga, como por exemplo FFVI e FFIX. Apesar de tudo, Final Fantasy VII tinha lá seu charme, uma boa história, uma boa jogabilidade, uma boa trilha sonora, enfim, tudo que era preciso para termos um jogo que no mínimo valesse a pena ser jogado. 

E aliás, se estiverem interessado em mais notícias sobre algum remake desse jogo, aconselho lerem esta new do Eurogamer. 


The Legend of Zelda - A Link to the Past 
Super Nintendo Entertaiment System (SNES) - Nintendo - 1991

Depois do lançamento de "A Link between Worlds", muitos fãs da franquia quebraram a cara quando pensaram que iria sair um remake para o 3DS de "A Link to the Past", já que os dois jogos possuem características muito semelhante em relação a arte, cenário e jogabilidade, afinal, ALBW é uma continuação de ALTTP em relação a sua história. E parece que o jogo cumpriu bem seu papel. Infelizmente eu não pude joga-lo ainda, mas de acordo com que escuto, parece ser um jogo dos bons. 

Mas ainda espero que o meu Zelda preferido receba uma bela versão remasterizada em HD, e tenho certeza que muitas outras pessoas concordam comigo. O jogo é simplesmente incrível, com uma história épica (como sempre), guiamos o nosso heróis Link em busca de salvar as sete princesas no Dark World e derrotar o verdadeiro vilão por trás de tudo. Nesse jogo, salvaremos Zelda duas vezes, duas! Será que sou o única que acha que o nome da franquia deveria ser "The Legend of Link"? Enfim, fora a história, ainda temos uma jogabilidade e aspectos que marcaram mais ainda os jogos de Zelda. Eu falo de itens, corações, dungeons, Master Sworld, bosses, princesas, Hyrule, e tudo mais que sempre vimos dentro da franquia, afinal, o que já é bom, não precisa ser mudado, apenas melhorado. Imagina jogar A Link to the Past com cutscenes feitas em CG´s explicando toda a história e talz, seria demais, dando para reaproveitar conceitos usados em A Link between Worlds. 


Comix Zone
Mega Drive - SEGA - 1995 

Há Comix Zone, um dos meus jogos preferidos. Sim, isso mesmo que você leu, não tem nada escrito errado ali. Lançado para Mega Drive em uma época em que ninguém mais ligava para o videogame, o jogo passou a não ser reconhecido, e acabou que poucas pessoas jogaram ele. Infelizmente, é como eu digo, nem sempre o número de vendas representa o valor de um jogo. Independente disso, Comix Zone é um incrível jogo Beat'em Up que se mistura com Platformer, e se pensa em joga-lo, vou já avisando, é um jogo que exige muita paciência, não é para qualquer um, e no começo o jogador pode se estressar um pouco, mas com o tempo ele te proporcionará uma incrível diversão. Mais tarde esse jogo se tornou uma vadia, ao invés da Sega lançar uma continuação legítima, ficava re-lançando para inúmeros consoles com ports simples sem nenhuma inovação, desde PC, GBA, X360, PS3, etc. Existe um tal de "Umbond Saga" lançado para PSP que é uma espécie de continuação espiritual de Comix Zone, mas que parece ser uma droga. 

Enfim, o jogo tem um incrível potencial e carrega consigo um enorme legado com os quadrinhos. O conceito de viajar por páginas de uma histórias em quadrinhos enquanto um vilão do lado de fora desenha inimigos e faz de tudo para te derrotar é inovador até os dias de hoje. Por conta disso acredito que Comix Zone merece tão bem quanto qualquer outro jogo um remake em HD. Mas infelizmente, isso é algo bem difícil de se acontecer, aliás, a nossa amada camarada SEGA não ta nem aí para o jogo, então da pra concluir que essa série nunca continuará. 

E falando em Sega... 


Sonic the Hedgehog 
Mega Drive - SEGA - 1991 

Ah sim, esse foi com certeza um do jogos que mais marcaram no Mega Drive, quem nunca jogou o primeiro jogo do ouriço mascote da Sega? Como aquele jogo era bom... 

Lembram quando Sonic não era um bosta? Quando ele salvava animais escravizados e corria por cenários que pareciam ser preenchidos por completa imaginação? É bons tempos. Sonic the Hedgehog, por ser o primeiro jogo da franquia merece um verdadeiro remake, e não estou falando de mais ports, já que ele seguiu o conselho de Comix Zone em se tornar uma vadia no mundo dos consoles também. Sabem Sonic Generations? Pois então, não acho que a jogabilidade usada lá no Sonic clássico fique só por lá mesmo, eu reconheci uma incrível evolução, e se continuar evoluindo, poderia até trazer o Sonic de volta, e assim "tentar" esquecer todas suas mancadas. Imaginem só um jogo remake de Sonic the Hedgehog para os consoles da atual geração, explicando muitas coisas que não foram bem explicadas no jogo original através de cutscenes e tudo mais. Seria algo confortável, concluindo que seria tão bom quanto o remake de A Link to the Past que comentei agora a pouco. 

Sei que poucas pessoas vão concordar comigo em relação a isso, mas, creio que isso poderia ser uma solução provisória, enquanto a Sega se levantaria do tombo que esta para tomar... Boom! 


Pokémon Yellow 
Game Boy Color - Nintendo - 1999 

Sim, foi sobre este jogo que falei na primeira postagem e review deste blog, ainda preciso edita-la, já que esta uma droga. Mas indo direto ao assunto, sabemos que as versões Red e Blue receberam seus remakes para Game Boy Advance, mas todos nós também sabemos que Yellow sempre foi uma versão superior as outras duas, e merece mais que eles um remake. Vão me dizer que nunca imaginaram algo como "Thunder Yellow"? E sim, espero que um dia a Nintendo lance remakes dos jogos "terceiros", se é que me entendem, e deem preferência ao Yellow. 


Pois é, acabo por aqui falando dos jogos que devem receber um remake HD, estou cansado e agora vou dormir, to postando de madrugada e não curto essas coisas. Então é isso, boa noite galera! 


02 agosto 2014

Vídeos que todos fãs de Zelda precisam assistir

Nenhum comentário:


Olá, como vai? Bom, tanto faz... 

Hoje não irão ler uma review, como eu posto na maioria das vezes. Fiquei afim de postar algo diferente, algo pra descontrair, afinal, reviews atrás de reviews uma hora irrita qualquer leitor de algum blog de jogos. E acho que ás vezes é bom criar um pouco de entretenimento e coisas mais legais e simples. 

Não?... 

Enfim, já fazia um tempo que queria postar algo relacionado a Zelda aqui no blog, não tinha escrito uma review porque... Ah, na verdade nem sei porque, talvez seja pelo fato de que não me animei para isso. Mas não significa que meu amor pela franquia esteja enfraquecida, saibam meus caros leitores, que amo The Legend of Zelda tanto quanto a Capcom esta agindo feito uma retardada nos dias atuais. E, desde muito tempo eu vejo curiosidades, informações, vídeos e outros conteúdos sobre a série na internet, e acho que nada é mais justo do que eu postar e compartilhar alguns desses presentinhos. Hoje estou a afim de postar alguns vídeos que todos que se dizem fãs de Zelda devem assistir, então é bem provável que você já tenha visto algum deles. Ou talvez não... 

Então tá, aqui vão eles, boa curtição. 


O rap de Zelda, por ninguém menos que os Smosh

Você com certeza já ouviu falar dos vídeos "Smosh", né? Bom, se sua resposta for não, vá agora mesmo acessar o You Tube e pesquise. Os caras fazem cenas de alguns minutos que são simplesmente ilarias, e são simplesmente muitos, muitos mesmo. Alguns são fracos, mas outros valem a pena dar uma assistida, eu aconselho.

Além do mais, Smosh da valor aos jogos clássicos de videogame, principalmente Pokémon e outros jogos da Nintendo. Tem até uns vídeos de como seriam jogos na vida real que são bem bacanas. E claro, eles não poderiam deixar de fora uma homenagem a The Legend of Zelda. Só que neste caso é um rap, que se tornou um dos vídeos mais acessados do canal, e não é sem motivo, a música e a letra são engraçadíssimas, e fazem referência a todos os principais aspectos da franquia, vale a pena dar uma assistida.

E falando em rap...


Sim, outro fucking rap do Zelda

Isso mesmo, outro. Mas da mesma maneira que o anterior, merece ser reconhecido, mas por outro motivo. Diferente do rap feito pelo Smosh, este foi feito pelo canal Star Bomb, e é uma animação bem pervertida, mas, mais engraçada. Neste rap não veremos muitas coisas remetendo aos jogos de maneira evidente, a música gira em torno daquele velho que nos da a espada no primeiro Zelda. Se lembram do que ele dizia?

It´s dangerous do go alone, take THIS!

Essa frase vai ter outro efeito em seus inocentes pensamentos depois que virem esse vídeo.


Egoraptor mostra melhor que ninguém a diferença entre os dois melhores jogos da franquia 

Vídeo incrível feito pelo vlogger Egoraptor da web série Sequelitis, que comenta e argumenta sobre jogos de uma maneira impressionante. Neste ele mostra por que A Link to the Past é melhor que Ocarina of Time, e sim, é melhor. Na verdade, eu não sei o que acontece com esse pessoal que acha mesmo que Ocarina of Time é o melhor jogo do mundo. Alias, isso nem faz sentido. Mas, não vou gastar meu texto explicando isso, o vídeo acima fará isso melhor que eu.

Merece ser assistido duas vezes. Antes de assisti-lo, eu não sabia qual jogo gostava mais, se era Majora´s Mask ou o próprio A Link to the Past. Logo após assisti-lo, percebi que o clássico 2D merece sim carregar o titulo de melhor jogo da franquia. Mas também não pensem que estou defendendo Sequelitis como se ele fosse o Shigeru Miyamoto, há alguns pontos que não concordei muito, como por exemplo quando é dito no vídeo que os jogos do Zelda devem ser igual ao primeiro, completamente livre, sem ser necessário conversar com outras pessoas para o jogo continuar.

Mas, convenhamos, tudo em exagero faz mal. Ser obrigado a ficar falando com o mundo inteiro para a história do jogo continuar e a exploração aumentar, é mesmo bem chato, mas, ser largado no meio do nada sem nenhum rumo ou algo que te indique o que deve fazer, é legal? Não é exatamente assim que se convida alguém para um jogo, talvez seja por isso que The Legend of Zelda de NES não envelheceu tão bem.


   Taylor Davis toca as músicas Song of Time e Song of Storms em seu violino

Taylor Davis toca em seu violino duas grandes músicas da série, o que é incrível só de falar, porém, essa garota ainda consegue tornar o vídeo mais atraente com sua atuação, cenário e efeitos sonoros, que apaixona a qualquer um. Acho que de todos os vídeos postados aqui, esse é o mais marcante. A forma como ela toca, a música completamente afinada, tudo saiu incrível. Ela chega a usar uma roupa só para entrar mais no clima. Sem mais, vídeo maravilhoso, merece toda a atenção dos fãs de Zelda.

Fora que Taylor também toca músicas de filmes e outras trilhas sonoras, se você tiver um gosto musical mais voltado a música orquestrada, de uma olhada no canal dela.


"Overworld Theme" cantada em versão acapella

Smooth McGroove ficou recentemente bem conhecido na internet por cantar muitas músicas de jogos em versão acapella, desde Sonic, Mario, Mega Man e muitos outros. Com tantos acessos, seu talento vocal encontrou Zelda, e cantou a música mais conhecida da série, e claro, ficou muito bom.


Bom, é só isso, espero que tenham se divertido com essa postagem. Acabei de perceber que todos eles estão relacionados a música, com exceção ao vídeo do Sequelitis, mas tanto faz, são vídeo legais, e é isso que importa. Eu não cheguei a comentar sobre o Hyrule Warriors, mas outro dia farei uma postagem sobre o novo título, até lá, continuem acessando o blog, ok?

See Ya meus leitores!